Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Europa é pelo menos tão culpada como Atenas

Sábado, 11.02.12

"A reunião do Eurogrupo de 9 de Fevereiro não bastou para afastar o espetro da falência grega. Se Atenas é em grande parte responsável pela crise, a UE e os seus parceiros também não estão isentos de responsabilidades. A sua mensagem confusa e falta de estratégia transformaram um problema solúvel num caos explosivo, escreve La Stampa. Com o acordo político de Atenas e desta nova reunião do Eurogrupo, os debates sobre a dívida grega avançaram, mas a solução continua a ser, como sempre, minimal. O prazo limite de 15 de fevereiro obrigou a uma atitude, pois, dizem, após essa data, torna-se inevitável uma falência desordenada e perigosa para toda a zona euro. Não vai ser fácil consolidar a tempo os compromissos do Governo grego relacionados com as novas medidas de austeridade, os procedimentos para concessão de subsídios europeus e a redução "voluntária" da dívida pública. As responsabilidades da Grécia são óbvias. Mas os erros da União, na forma de gerir a crise, são igualmente graves. Desde 2009, foram exigidos aos gregos ajustes demasiado apressados para serem corretos e política e socialmente digeríveis. Tinha sido necessário mais cuidado na preparação de reformas estruturais, e pô-las em prática num período de tempo mais realista. Era preciso garantir o financiamento necessário, a projetos específicos, orientados para o crescimento, evitando que os juros das novas emissões de títulos de dívida pública atingissem os níveis que conhecemos. Preferiu-se apostar numa certa arrogância da Europa, pelo facto de os gregos terem aldrabado as contas; transmitiu-se a impressão de que a importância da Grécia para a União Europeia era apenas o risco de poder contaminar as finanças de países "mais importantes".

A Comissão agiu como notário

A Europa tinha de fazer mais – no domínio da comunicação e também da imagem – para valorizar o potencial da Grécia e ajudar o seu povo a compreender e aceitar as reformas. As autoridades europeias deixaram igualmente criar-se muitos mal-entendidos e confusões em vários aspetos. Primeiro, não conseguiram limitar o número excessivo de interlocutores com que os gregos têm que negociar. A Comissão agiu como notário; um conjunto complexo de ajudas bilaterais deu margem para o desabrochar das particularidades dos diferentes governos nacionais; os chefes dos Governos alemão e francês, em particular, entraram em jogadas pessoais, alternando exigências e ameaças, fazendo malabarismos com procedimentos e prazos. O Banco Central Europeu foi instado a fazer o papel impróprio de substituto dos governos, para assegurar financiamentos a médio e longo prazo; o FMI também foi chamado a entrar na operação, o que provocou muita polémica, dando a ideia de que, sem Washington, não teríamos dinheiro nem competência para gerir o problema grego. Os apoios oficiais foram considerados créditos privilegiados, o que teve o efeito de aumentar os riscos assumidos pelos credores privados, mas em matéria de re-estruturação "voluntária" da dívida deixou-se os negócios de lobistas privados sobreporem-se confusamente às relações entre as autoridades gregas e a UE. Houve ainda outra confusão, quanto à questão da falência da Grécia. Primeiro, foi completamente iludida, sem ter em conta que os mercados, ao exigirem juros elevados, mostravam que já a estavam a considerar. Era necessário evitar que o pânico contaminasse a dívida de outros países. Mas excluir qualquer possibilidade de falência implica que se deem garantias de apoio, que ninguém quis dar. E assim, o contágio não pôde ser evitado. Em seguida, favoreceram-se negociações com credores privados, na expectativa de uma declaração de falência parcial e voluntária, assegurando, nunca se soube com que base, que se tratava de uma medida absolutamente excecional.

A confusão entre falência e saída do euro

Entretanto, houve graves atropelos nas regras de contabilização das dívidas soberanas nos balanços dos bancos: fizeram-se testes de stresse muito permissivos, que consideravam quase todos os títulos estatais como não-desvalorizáveis, com a obrigação de os avaliar aos preços sacrificiais impostos pelo mercado financeiro. E com isso ficamos sem saber se o problema real é a solvência do Governo grego ou dos bancos credores. Não foi tida em conta a necessidade de acelerar a adoção de procedimentos válidos para todos, a fim de renegociar a dívida quando esta se torna insuportável, sem demora – ou seja, antes que se acelere o ciclo vicioso da dívida e dos juros que ela gera –, de forma ordenada e justa, para evitar o pânico e o contágio. Chegaram a dizer que tal procedimento aumentaria o risco de contágio. Mas a sua ausência não vai impedir que, uma vez resolvido o quebra-cabeças grego, de uma forma ou de outra, não venha a surgir outro, por exemplo, português. A isso foi acrescentada, mais por culpa de muitos economistas do que das autoridades europeias, a confusão entre falência e saída do euro. Enquanto uma falência bem controlada reduz realmente a dívida de um país, a saída do euro apenas provoca desvalorizações selvagens, imediatamente neutralizadas pela inflação e a marginalização desse país pelos mercados internacionais. Quando se repete insistentemente que a zona euro é demasiado heterogénea e que a Grécia não deve estar incluída nela, seria bom ter em conta a forma como as coisas se teriam passado se a União Europeia tivesse conseguido evitar tanta desordem e confusão." [Fonte]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Joao Pedro Dias às 20:02






links

ORGANIZAÇÕES EUROPEIAS

COMUNICAÇÃO SOCIAL



comentários recentes

  • Jorge Greno

    Mas então o Português deixou de ser língua oficial...

  • Pedro

    Bom dia,O Casa Europa está novamente em destaque n...

  • Henrique Salles da Fonseca

    BRAVO!!!Todos os políticos no activo praticaram o ...

  • O mais peor

    Até que enfim o sapo destaca um blogue de valor qu...

  • De Puta Madre

    Eu Gostaria que o Espaço Europeu não Tivesse nos S...

  • Dylan

    Se no caso egípcio, algumas pessoas acharam por be...

  • Carlos Medeiros

    Gostei do post. Estou totalmente de acordo. E cons...

  • silveira

    Não é isso que diz a notícia!... De qualquer forma...

  • silveira

    Se eu fosse juíz sentiria vergonha por esta rejeiç...

  • silveira

    É claro como água!... Para voltarmos a ter justiça...