Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O dilema do euro, desafio da União Europeia

Quarta-feira, 08.12.10

É um dos dilemas com que, actualmente, a Europa da da União – e em particular a sua zona euro – terá de se defrontar: se quer e pretende ter uma moeda única forte e internacionalmente competitiva, como convém às economias mais prósperas e desenvolvidas da União, com a Alemanha, que anuncia hoje um crescimento de 3,6% já para 2010, à cabeça;  ou se opta por depreciar a sua moeda, ainda que à custa de alguma competitividade externa da mesma, mas a benefício das suas economias mais débeis e mais frágeis, tornando-as, por essa via, externamente mais competitivas e não recessivas. De uma certeza parece já todos se terem apercebido – é difícil, senão mesmo impossível, definir um padrão monetário único que sirva a preceito realidades económicas tão distintas como aquelas que caracterizam hoje a União Europeia. Pelo menos enquanto essa diversidade e essas disparidades se mantiverem. Este é o grande desafio que se coloca hoje em dia à União Europeia. Sem o resolver, dificilmente a crise em que a Europa da União se acha mergulhada poderá ser resolvida e ultrapassada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Joao Pedro Dias às 02:10






links

ORGANIZAÇÕES EUROPEIAS

COMUNICAÇÃO SOCIAL



comentários recentes

  • Jorge Greno

    Mas então o Português deixou de ser língua oficial...

  • Pedro

    Bom dia,O Casa Europa está novamente em destaque n...

  • Henrique Salles da Fonseca

    BRAVO!!!Todos os políticos no activo praticaram o ...

  • O mais peor

    Até que enfim o sapo destaca um blogue de valor qu...

  • De Puta Madre

    Eu Gostaria que o Espaço Europeu não Tivesse nos S...

  • Dylan

    Se no caso egípcio, algumas pessoas acharam por be...

  • Carlos Medeiros

    Gostei do post. Estou totalmente de acordo. E cons...

  • silveira

    Não é isso que diz a notícia!... De qualquer forma...

  • silveira

    Se eu fosse juíz sentiria vergonha por esta rejeiç...

  • silveira

    É claro como água!... Para voltarmos a ter justiça...