Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O exemplo austro-húngaro

Quarta-feira, 30.03.11

O estado actual da União Europeia faz lembrar, cada vez mais, a situação que presidiu à queda do Império Austro-Húngaro. O Império não caiu ou ruiu por qualquer ideia contrária à essência imperial ou por qualquer contestação do Império e da coroa em si mesma. O Império caiu e desmoronou-se por um desigual desenvolvimento dos seus territórios e pelo acentuar das assimetrias entre os seus espaços integrantes. Essa é a natureza da actual crise europeia. Cada vez existe menos Europa, menos espírito europeu, mais traição aos valores dos pais fundadores, menos solidariedade intra-europeia e, como consequência de tudo isto, um fosso e uma clivagem cada vez maior entre os Estados do norte e do sul, entre os Estados mais e menos desenvolvidos, entre os Estados economicamenteem recuperação etodos os demais. A este ritmo, a esta velocidade e neste caminho a União Europeia terá um fim não muito diferente do Império Austro-Húngaro, com o regresso às nacionalidades, ao Estado-Nação, que abriram as portas, de par em par, às tragédias que se lhe seguiram.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Joao Pedro Dias às 00:52






links

ORGANIZAÇÕES EUROPEIAS

COMUNICAÇÃO SOCIAL



comentários recentes

  • Jorge Greno

    Mas então o Português deixou de ser língua oficial...

  • Pedro

    Bom dia,O Casa Europa está novamente em destaque n...

  • Henrique Salles da Fonseca

    BRAVO!!!Todos os políticos no activo praticaram o ...

  • O mais peor

    Até que enfim o sapo destaca um blogue de valor qu...

  • De Puta Madre

    Eu Gostaria que o Espaço Europeu não Tivesse nos S...

  • Dylan

    Se no caso egípcio, algumas pessoas acharam por be...

  • Carlos Medeiros

    Gostei do post. Estou totalmente de acordo. E cons...

  • silveira

    Não é isso que diz a notícia!... De qualquer forma...

  • silveira

    Se eu fosse juíz sentiria vergonha por esta rejeiç...

  • silveira

    É claro como água!... Para voltarmos a ter justiça...