Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Merkel: Portugal recuperou confiança e é exemplo para Itália

Quarta-feira, 05.10.11

"A chanceler alemã, Angela Merkel, deu hoje Portugal como exemplo de um país que recuperou a confiança dos mercados por ter implementado de forma apropriada as medidas de austeridade firmadas com a 'troika'. Questionada em Bruxelas sobre o corte de 'rating' de hoje da agência de notação financeira Moody's à Itália, a chanceler deu Portugal como exemplo de um país que voltou a ganhar a "confiança dos mercados" após sucessivas descidas de 'rating'. "Todos os países europeus voltarão a ter confiança, vimos isso no caso de Portugal, se as medidas forem genuinamente implementadas", considerou a chanceler. A Moody's cortou na terça-feira o 'rating' da Itália em três níveis, de Aa2 para A2. Merkel, que falava hoje numa conferência de imprensa conjunta com o presidente do Parlamento Europeu, Jerzy Buzek, disse que a Zona Euro tem de sair da actual crise financeira com mais força: "No futuro vamos precisar de mais Europa", sustentou. A chanceler apelou também, como havia feito antes em conferência com o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, ao alargamento do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF), uma questão de "solidariedade europeia" e uma medida necessária para que todos os Estados-membros "ponham a sua casa em ordem". Questionada sobre os passos a seguir numa eventual ratificação da banca, Merkel apontou três cenários: um primeiro, onde os próprios bancos assumem o processo; um segundo, quando os bancos não o consigam fazer, que passe pelo uso de fundos disponibilizados pelo Estado; e um terceiro, quando o país em concreto estiver em dificuldades e a "estabilidade do euro estiver em perigo" e em que entra em cena o FEEF." [Fonte]

 

É bom que a Senhora Merkel, por uma vez, tenha razão e que Portugal tenha entrado, mesmo, na rota da confiança dos mercados. Até ao momento não é propriamente o que se tem visto. Já agora - se a própria Senhora Merkel, de vez em quando, se lembrasse da herança dos seus antecessores em matéria de europeísmo e de política europeia e da responsabilidade alemã para com a Europa e para com esta União Europeia em particular, talvez as coisas fossem um bocadinho mais fáceis. Para Portugal e para o conjunto da União. Mas noutro aspecto também será bom que a chanceler tenha razão - no caso concreto de Itália é de todo recomendável que o governo arrepie caminho o mais depressa possível, pois se cair numa situação em que necessite de resgate europeu - a avaliar pelos casos grego, irlandês e português - bem pode esperar sentado pela solidariedade europeia. Aí, com toda a certeza, não há recursos no FEEF que sejam mobilizáveis e há muito mais probabilidade de Roma arrastar a Europa para o abismo do que (esta) União se mobilizar para resgatar Roma.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Joao Pedro Dias às 23:21






links

ORGANIZAÇÕES EUROPEIAS

COMUNICAÇÃO SOCIAL



comentários recentes

  • Jorge Greno

    Mas então o Português deixou de ser língua oficial...

  • Pedro

    Bom dia,O Casa Europa está novamente em destaque n...

  • Henrique Salles da Fonseca

    BRAVO!!!Todos os políticos no activo praticaram o ...

  • O mais peor

    Até que enfim o sapo destaca um blogue de valor qu...

  • De Puta Madre

    Eu Gostaria que o Espaço Europeu não Tivesse nos S...

  • Dylan

    Se no caso egípcio, algumas pessoas acharam por be...

  • Carlos Medeiros

    Gostei do post. Estou totalmente de acordo. E cons...

  • silveira

    Não é isso que diz a notícia!... De qualquer forma...

  • silveira

    Se eu fosse juíz sentiria vergonha por esta rejeiç...

  • silveira

    É claro como água!... Para voltarmos a ter justiça...