Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Antevendo mais um Conselho Europeu

Quinta-feira, 28.06.12

Inicia-se hoje mais uma cimeira do Conselho Europeu. Durante semanas a fio foi transmitida a ideia da completa e absoluta transcendência desta reunião para a adopção das medidas indispensáveis à «salvação» do euro, à resolução das crises das dívidas soberanas, ao avanço nos domínios da integração económica e monetária, especialmente nas suas componentes bancária e orçamental, ao lançamento de um processo que chegou a ser assumido como de refundação da própria União Europeia a lançar nesta Cimeira e a decorrer até final do corrente ano. Em suma - eram grandes as expectativas e estava alta a fasquia. Dum momento para o outro, sem que se tenha bem percebido o como e o porquê, tudo se esvaiu, tudo se desfez, todas as ilusões se desmoronaram. Bastou a Sra Merkel ter classificado como "desproporcionadas" as propostas de trabalho formuladas por van Rompuy - Durão Barroso - Jean-Claude Junhcker - Mario Draghi e ter reiterado a sua oposição à mutualização das dívidas públicas dos Estados-Membros, relembrando que nem na República Federal existe um tal mecanismo entre os diferentes Länder; bastou o Presidente Hollande aparentar ter desistido (pelo menos para já) dos eurobonds e o Presidente Durão Barroso ter proclamado que não se deviam esperar milagres desta Cimeira - para a fasquia rastejar, para as esperanças ruirem e esta se arriscar a enfileirar no extensíssimo rol das Cimeiras da decepção, aquelas que muito prometem e pouco (ou quase nada) logram alcançar. É mais uma evidência e mais um exemplo do estado de esquizofrenia verdadeiramente bipolar que caracteriza a União dos nossos dias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Joao Pedro Dias às 01:10

Para uma genuína união económica e monetária. Relatório de Herman van Rompuy

Terça-feira, 26.06.12

TOWARDS A GENUINE ECONOMIC AND MONETARY UNION

Report issued on 25 June 2012

 

I. CONSOLIDATING THE ECONOMIC AND MONETARY UNION

 

The economic and monetary union (EMU) was established to bring prosperity and stability across Europe. It is a cornerstone of the European Union. Today the EMU is facing a fundamental challenge. It needs to be strengthened to ensure economic and social welfare.

 

This report, prepared by the President of the European Council in collaboration with the President of the Commission, the President of the Eurogroup and the President of the European Central Bank, aims at developing a vision for the EMU to ensure stability and sustained prosperity. It does so by proposing a strong and stable architecture in the financial, fiscal, economic and political domains, underpinning the jobs and growth strategy.

 

Challenges

 

An effective vision has to confront the long-term challenges that the EMU faces. The euro area is diverse and policy-making at the national level is the most effective method for many economic decisions. Yet, national policies cannot be decided in isolation if their effects quickly propagate to the euro area as a whole. Therefore, such national policies must reflect fully the realities of being in a monetary union. Maintaining an appropriate level of competitiveness, coordination and convergence to ensure sustainable growth without large imbalances is essential. This should allow for the appropriate policy mix with the single monetary policy in pursuit of price stability.

 

But to ensure stability and growth in the euro area, Member States have to act and coordinate according to common rules. There have to be ways on ensuring compliance when there are negative effects on other EMU members. This is necessary to guarantee the minimum level of convergence required for the EMU to function effectively.

 

Overall, closer EMU integration will require a stronger democratic basis and broad support from citizens. For this reason, it is essential that already the process towards realising this vision is based on wide consultation and participation. Integration and legitimacy have to advance in parallel.

 

The vision for the future of EMU governance laid out in this report focuses on the euro area Member States as they are qualitatively distinct by virtue of sharing a currency. Nevertheless, the process towards deeper economic and monetary union should be characterised by openness and transparency and be in full compatibility with the single market in all aspects.

 

Vision

 

The report proposes a vision for a stable and prosperous EMU based on four essential building blocks:

  • An integrated financial framework to ensure financial stability in particular in the euro area and minimise the cost of bank failures to European citizens. Such a framework elevates responsibility for supervision to the European level, and provides for common mechanisms to resolve banks and guarantee customer deposits.
  • An integrated budgetary framework to ensure sound fiscal policy making at the national and European levels, encompassing coordination, joint decision-making, greater enforcement and commensurate steps towards common debt issuance. This framework could include also different forms of fiscal solidarity.
  • An integrated economic policy framework which has sufficient mechanisms to ensure that national and European policies are in place that promote sustainable growth, employment and competitiveness, and are compatible with the smooth functioning of EMU.
  • Ensuring the necessary democratic legitimacy and accountability of decision-making within the EMU, based on the joint exercise of sovereignty for common policies and solidarity.

These four building blocks offer a coherent and complete architecture that will have to be put in place over the next decade. All four elements are necessary for long-term stability and prosperity in the EMU and will require a lot of further work, including possible changes to the EU treaties at some point in time.

 

II. KEY BUILDING BLOCKS

 

1. An integrated financial framework

 

The financial crisis has revealed structural shortcomings in the institutional framework for financial stability. Addressing these shortcomings is particularly important for the euro area given the deep interdependences resulting from the single currency. However, this needs to be done whilst preserving the unity and integrity of the single market in the field of financial services. Therefore, an integrated financial framework should cover all EU Member States, whilst allowing for specific differentiations between euro and non-euro area Member States on certain parts of the new framework that are preponderantly linked to the functioning of the monetary union and the stability of the euro area rather than to the single market.

 

Building on the single rulebook, an integrated financial framework should have two central elements: single European banking supervision and a common deposit insurance and resolution framework.  

 

Integrated supervision is essential to ensure the effective application of prudential rules, risk control and crisis prevention throughout the EU. The current architecture should evolve as soon as possible towards a single European banking supervision system with a European and a national level. The European level would have ultimate responsibility. Such a system would ensure that the supervision of banks in all EU Member States is equally effective in reducing the probability of bank failures and preventing the need for intervention by joint deposit guarantees or resolution funds. To this end, the European level would be given supervisory authority and pre-emptive intervention powers applicable to all banks. Its direct involvement would vary depending on the size and nature of banks. The possibilities foreseen under Article 127(6) TFEU regarding the conferral upon the European Central Bank of powers of supervision over banks in the euro area would be fully explored.

 

Building on existing and forthcoming Commission proposals, work should be taken forward on deposit insurance and resolution:

 

A European deposit insurance scheme could introduce a European dimension to national deposit guarantee schemes for banks overseen by the European supervision. It would strengthen the credibility of the existing arrangements and serve as an important assurance that eligible deposits of all credit institutions are sufficiently insured.

 

A European resolution scheme to be primarily funded by contributions of banks could provide assistance in the application of resolution measures to banks overseen by the European supervision with the aim of orderly winding-down non-viable institutions and thereby protect tax payer funds.

 

The deposit insurance scheme and the resolution fund could be set up under the control of a common resolution authority. Such a framework would greatly reduce the need to make actual use of the guarantee scheme. Nevertheless, the credibility of any deposit guarantee scheme requires access to a solid financial backstop. Therefore, as regards the euro area, the European Stability Mechanism could act as the fiscal backstop to the resolution and deposit guarantee authority.

 

2. Towards an integrated budgetary framework

 

The financial and debt crisis has underlined high levels of interdependence particularly within the euro area. The smooth functioning of the EMU requires not only the swift and vigorous implementation of the measures already agreed under the reinforced economic governance framework (notably the Stability and Growth Pact and the Treaty on Stability, Coordination and Governance), but also a qualitative move towards a fiscal union.

 

In the context, within the euro area, of greater pooling of decision making on budgets commensurate with the pooling of risks, effective mechanisms to prevent and correct unsustainable fiscal policies in each Member State are essential. Towards this end, upper limits on the annual budget balance and on government debt levels of individual Member States could be agreed in common. Under these rules, the issuance of government debt beyond the level agreed in common would have to be justified and receive prior approval. Subsequently, the euro area level would be in a position to require changes to budgetary envelopes if they are in violation of fiscal rules, keeping in mind the need to ensure social fairness.

 

In a medium term perspective, the issuance of common debt could be explored as an element of such a fiscal union and subject to progress on fiscal integration. Steps towards the introduction of joint and several sovereign liabilities could be considered as long as a robust framework for budgetary discipline and competitiveness is in place to avoid moral hazard and foster responsibility and compliance. The process towards the issuance of common debt should be criteria-based and phased, whereby progress in the pooling of decisions on budgets would be accompanied with commensurate steps towards the pooling of risks. Several options for partial common debt issuance have been proposed, such as the pooling of some short-term funding instruments on a limited and conditional basis, or the gradual roll-over into a redemption fund. Different forms of fiscal solidarity could also be envisaged.

 

A fully-fledged fiscal union would imply the development of a stronger capacity at the European level, capable to manage economic interdependences, and ultimately the development at the euro area level of a fiscal body, such as a treasury office. In addition, the appropriate role and functions of a central budget, including its articulation with national budgets, will have to be defined.

 

3. Towards an integrated economic policy framework

 

In an economic union, national policies should be orientated towards strong and sustainable economic growth and employment while promoting social cohesion. Stronger economic integration is also needed to foster coordination and convergence in different domains of policy between euro area countries, address imbalances, and ensure the capacity to adjust to shocks and compete in a globalised world economy. This is essential for the smooth functioning of the EMU and is an essential counterpart to the financial and fiscal frameworks.

 

It is important, building on the principles spelled out in the European semester and the Euro Plus Pact, to make the framework for policy coordination more enforceable to ensure that unsustainable policies do not put stability in EMU at risk. Such a framework would be particularly important to guide policies in areas such as labour mobility or tax coordination.

 

Measures to strengthen the political and administrative capacity of national institutions and foster national ownership of reforms could be taken where necessary, as this is a vital condition for the efficient implementation of growth enhancing reforms.

 

4. Strengthening democratic legitimacy and accountability

 

Decisions on national budgets are at the heart of Europe's parliamentary democracies. Moving towards more integrated fiscal and economic decision-making between countries will therefore require strong mechanisms for legitimate and accountable joint decision-making. Building public support for European-wide decisions with a far-reaching impact on the everyday lives of citizens is essential.

 

Close involvement of the European parliament and national parliaments will be central, in the respect of the community method. Protocol 1 TFEU on the role of national parliaments in the EU offers an appropriate framework for inter-parliamentary cooperation.

 

III. NEXT STEPS--PROPOSAL FOR A WORKING METHOD

 

Further work is necessary to develop a specific and time-bound road map for the achievement of the genuine Economic and Monetary Union.

 

A report could be submitted to the December European Council by the President of the European Council in close collaboration with the President of the Commission, the President of the Eurogroup and the President of the European Central Bank. There will be regular and informal consultations with the Member States and the EU institutions. An interim report could be presented in October 2012.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Joao Pedro Dias às 19:47

Angela Merkel recusa eurobonds "enquanto for viva" em vésperas de cimeira

Terça-feira, 26.06.12
A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou hoje que, "enquanto for viva" não aceitará a mutualização das dívidas públicas na zona euro, através, nomeadamente, da emissão dos chamados eurobonds. Citada por deputados dos Liberais do FDP, um dos partidos da coligação de centro direita em Berlim, após uma reunião com o respectivo grupo parlamentar, Merkel opôs-se assim a planos de altos responsáveis da União Europeia, como o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, para uma responsabilização conjunta entre os países da moeda única. Segundo as mesmas fontes, Merkel justificou a sua posição também com o facto de na Alemanha ainda não haver emissões conjuntas de dívida pública entre os 16 Estados federados, mais de 60 anos depois da fundação da República Federal da Alemanha. As palavras atribuídas a Merkel surpreenderam os comentadores políticos, porque até agora a linha oficial do executivo germânico tem sido afirmar que, de momento a mutualização de dívidas na zona euro não é o meio adequado para combater a crise, sem excluir totalmente, no entanto, o recurso aos "eurobonds" no futuro. Pouco antes de se reunir com os deputados do FDP, Merkel esteve com os deputados democratas-cristãos do seu grupo parlamentar e, segundo várias fontes, não utilizou aqui a expressão "enquanto for viva" para afastar responsabilidades comuns pelas dívidas dos parceiros europeus. Colocou reservas, no entanto, aos planos apresentados hoje pelo presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, pelo presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, pelo presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, e pelo presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker - por encargo dos chefes de Estado e de governo da União Europeia - para uma profunda reforma comunitária, incluindo responsabilidades comuns pelas dívidas públicas. Os quatro dirigentes europeus defenderam também uma união de bancos que garanta em conjunto os depósitos das instituições financeiras europeias, propostas igualmente recusada por Berlim. O plano em questão será debatido no Conselho Europeu de quinta e sexta-feira, mas vários responsáveis do Governo alemão, além da própria chanceler, já deixaram claro que rejeitam o essencial do seu articulado, sobretudo devido a uma eventual falta de equilíbrio entre um reforço da acção conjunta e a responsabilização de cada um dos países membros. Para a chefe do governo alemão, há um desequilíbrio entre o processo para mutualizar as dívidas soberanas e o calendário de integração da União Europeia a nível orçamental, financeiro e bancário. Uma proposta de Van Rompuy sobre a transferência de soberania para Bruxelas, de acordo com Merkel, poderia desencadear uma rápida coletivização da dívida soberana dos países da zona euro, uma situação a que Berlim se opõe liminarmente, considerando que, antes disso, é preciso uma união orçamental.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Joao Pedro Dias às 18:17

A mini-cimeira de Roma

Sexta-feira, 22.06.12

Merkel, Hollande, Monti e Rajoy - que é como quem diz, Alemanha, França, Itália e Espanha - as quatro maiores economias da União Europeia e da zona euro, reuniram-se hoje em cimeira, em Roma, à margem das instituições comunitárias. Um reforço da integração europeia, uma leve abordagem à criação de um imposto sobre transações financeiras internacionais, a afirmação da crença no euro e, sobretudo, a afectação de 1% do PIB da zona euro (cerca de 130MM€) a um fundo destinado a impulsionar o crescimento - terão sido as principais decisões saídas da Cimeira. Não parece, todavia, que este seja um método estimável ou recomendável para o aprofundamento da integração europeia. Estas cimeiras revelam a opção pelo método intergovernamental - quando é de mais método comunitário que a Europa da União precisa e necessita. Curiosa e significativamente, na mini-cimeira de Roma, não esteve presente nem Durão Barroso nem o imprestável Herman van Rompuy, que o mesmo é dizer, nem a Comissão nem o próprio Conselho Europeu se fizeram representar ou foram convidados para o evento. O que elimina quaisquer dúvidas sobre a sua clara natureza intergovernamental. Ora, a Europa que se pretende construir não é a do directória, seja ele formado pelo casal Merkozy ou pelos líderes das maiores economias. A Europea que se quer construir, por ser a única com futuro e viabilidade, é a da integração supranacional, do reforço do papel e das instituições europeias, da afirmação e da primazia dos interesses de todos em detrimento dos interesses de alguns. A essa luz não parece que as notícias vindas de Roma possam ser significativamente encorajadoras ou promissoras.... 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Joao Pedro Dias às 21:31

Carta de Rajoy a la UE tres días antes del rescate: “La situación es insostenible”

Quarta-feira, 13.06.12

«El presidente del Gobierno, Mariano Rajoy, envió el pasado 6 de junio al presidente del Consejo Europeo, Van Rompuy, y al de la Comisión, Durao Barroso, una carta de más de cuatro folios en la que alertaba de que la UEse quedaba sin tiempo y el euro estaba en peligro si no se acometían una serie de reformas urgentes como la “unión fiscal y bancaria”. Tres días después, se producía la ‘asistencia financiera’ a España. En la carta, Rajoy asegura que “la situación es insostenible, impredecible y podría llevar al euro al límite”, y exige a los líderes europeos llevar a cabo una política de reformas que pongan fin “a la huida de liquidez desde los países de la periferia al centro”. Según Rajoy, por mucho que los Gobiernos pongan en marcha reformas, recortes y otras medidas dolorosas, los mercados perciben “el riesgo de la ruptura del euro”, lo que hace que ninguna de esas políticas tenga éxito. A su entender, una unión monetaria requiere, para su éxito, que estén presentes dos condiciones: estabilidad fiscal para evitar presiones sobre la moneda; y mercados flexibles para crear los mecanismos de ajuste interno de los que hoy carece la unión monetaria. "Todo ello, junto con un sistema financiero sólido, integrado y bien supervisado, es la base para que los beneficios de la integración monetaria se materialicen", apunta. En la carta, que en ocasiones es descarnada –“es necesario atajar esta situación cuanto antes”, “carecemos de tiempo”- el presidente del Gobierno español culpa al retraso en la asunción de una política de ajuste fiscal y otras reformas de la situación actual, y asegura que la crisis está galopando desde 2007 y la UE no reaccionó. Por ello, Rajoy reclama que en la cumbre europea del 27 y 28, los líderes comunitarios pongan en marcha una “unión fiscal y bancaria”, con un “fondos de garantías de depósitos común”. Rajoy es consciente de que los pasos en esa dirección supone “mayor cesión de soberanía en los ámbitos fiscal y bancario”, pero el presidente del Gobierno asegura que sólo esa política “pondrá a salvo el euro”. “Es preciso que las empresas y los hogares tengan acceso a la liquidez”, y sólo si se elimina del mercado la percepción de que Europa no cree en su moneda, se podrá poner fin a la crisis de deuda. Así, Rajoy destaca que se vive un momento de mercados financieros fragmentados que se ve "agravado por la incertidumbre proveniente de Grecia y por las dudas sobre la moneda única". "Es la incertidumbre sobre el euro la que está impidiendo que las medidas de ajuste que muchos Estados Miembros estamos llevando a cabo tengan los efectos positivos que deberían", dice, para recalcar que la "presión" sobre muchos países está aumentando.» [Fonte]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Joao Pedro Dias às 13:05

Líderes europeus preparam reestruturação "de fundo"

Domingo, 03.06.12

A Comissão Europeia, o Conselho da União Europeia, o Banco Central Europeu (BCE) e o Eurogrupo estarão a preparar um plano global, encomendado pelos líderes da UE, para uma reestruturação "de fundo" da zona euro. De acordo com o jornal alemão Welt am Sonntag, citado pela agência EFE, o plano abrangente deverá ser apresentado na próxima cimeira no final de junho. Os presidentes do Conselho da UE, Herman van Rompuy, da Comissão Europeia, Durão Barroso, do BCE, Mario Draghi e o presidente do Eurogrupo, Jean Claude Juncker terão ficado com esta responsabilidade na última cimeira informal realizada a 23 de maio. Os líderes das instituições europeias deverão elaborar, segundo o jornal, uma espécie de "roteiro" que afetará a "todos os níveis" a UE. O objetivo é que o "projeto revolucionário" seja discutido, aprovado e adotado o mais tardar até final do ano. Van Rompuy, Barroso, Junker e Draghi trabalharão quatro áreas: reformas estruturais, união financeira, união orçamental e união política. O resultado será uma nova UE, refere o Welt am Sonntag. De acordo com o jornal, o plano incluirá medidas concretas para impulsionar o crescimento e não se concentrará unicamente na austeridade, a via preconizada até agora pelo governo de Angela Merkel. O BCE estará a preparar-se para agir mais eficazmente e dotar-se de mecanismos centralizados de supervisão na banca. O objetivo do "roteiro", cujo ponto alto será a união orçamental, é estar mais bem preparado para situações como a atual e responder à pressão internacional para superar a crise na zona euro, após dois anos de emergência permanente. O jornal alemão lembra que a própria chanceler alemã apontou a necessidade de ser desenhado um programa abrangente para a zona euro esta semana ao referir que se deveria refletir sobre como deve evoluir a Europa "nos próximos cinco a 10 anos". Merkel manifestou disponibilidade para alterar certas posições até agora consideradas "inamovíveis", resultado quer das pressões dos parceiros europeus, quer dos opositores políticos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Joao Pedro Dias às 17:45

Eurolândia prepara novo salto na integração

Quinta-feira, 24.05.12

«Os países da zona euro estão a ponderar aprofundar de forma significativa a sua união económica e monetária ao assumir um plano que poderá incluir um sistema europeu de garantias bancárias, um regime europeu de supervisão do sistema bancário e a emissão comum, a prazo, de dívida pública através de eurobonds (obrigações europeias). O presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, foi mandatado pelos líderes para desenvolver estas e outras pistas e apresentar dentro de pouco mais de um mês um relatório com as opções possíveis e um método de trabalho para as desenvolver. Este temas foram acertados pelos líderes da União Europeia (UE) durante o jantar informal que os reuniu na quarta-feira à noite para debater "sem tabus" pistas de estímulo à economia e novas possibilidades de aprofundamento da integração europeia para responder à crise da dívida. Van Rompuy trabalhará com o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, o presidente do eurogrupo, Jean-Claude Juncker, e presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi. O tema voltará a ser abordado pelos líderes na próxima cimeira europeia de 28 e 29 de Junho. O presidente do Conselho Europeu confirmou que a questão dos eurobonds – um dos temas potencialmente mais controversos devido às divergências entre os governos, a começar pela França e Alemanha –, foi "abordada rapidamente por vários líderes durante o encontro que terminou depois da uma hora da manhã. Mas, frisou, a questão foi invocada "no quadro do aprofundamento a longo prazo da união económica e monetária". "Ninguém pediu a sua introdução imediata", frisou, lembrando que é uma questão que "levará tempo". O Presidente francês, François Hollande, o primeiro-ministro italiano, Mario Monti, e Jean-Claude Juncker foram os principais defensores de um mecanismo destinado a permitir aos 17 membros do euro a partilha, de forma solidária, dos riscos da dívida emitida em comum de modo a baixar as taxas de juro dos países com maiores dificuldades de financiamento no mercado. A chanceler alemã, Angela Merkel, assumiu uma posição bem mais prudente, ao afirmar que os títulos de dívida em comum "não contribuem para relançar o crescimento na zona euro". "Respeito a opinião" da chanceler, afirmou Hollande, lembrando que, segundo a posição alemã, os eurobonds são um ponto de chegada de um processo de integração política, económica e financeira.  O presidente do BCE assumiu uma posição semelhante ao afirmar que "os eurobonds só fazem sentido se houver uma união orçamental".Pedro Passos Coelho, primeiro ministro português, considerou igualmente que os eurobonds "não são uma resposta para a situação actual" e "correspondem a um estado de evolução da integração política e económica que deve ser acelerado" mas "não corresponde nesta altura a um salto qualitativo que objectivamente esteja ao nosso alcance". Passos frisou ainda que "não há uma oposição do governo português de princípio à ideia" e que esse avanço poderá ser concretizado no quadro de uma maior integração financeira, económica e política".A Françaconsidera, ao invés que os eurobonds constituem "um ponto de partida", afirmou Hollande explicando que "por isso, os debates vão continuar".  O Presidente francês deixou no entanto claro que "não houve um conflito ou um confronto" entre os líderes e que houve mesmo outros países "muito mais firmemente contra" os eurobonds do que a chanceler. Merkel também disse que o debate sobre este tema foi "muito equilibrado". [Fonte]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Joao Pedro Dias às 10:36

Líderes europeus atribuem à Sérvia estatuto de candidata à adesão à UE

Quinta-feira, 01.03.12

Os líderes europeus atribuíram à Sérvia estatuto de candidata à adesão. Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia decidiram hoje em Bruxelas conceder à Sérvia o estatuto de país candidato à adesão ao bloco europeu, anunciou o Presidente do Conselho, Herman van Rompuy. Os líderes dos 27 consideraram que Belgrado deu resposta a todas as condições que lhe eram reclamadas, designadamente a normalização das relações com o Kosovo e a detenção dos criminosos de guerra procurados pelo Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Joao Pedro Dias às 23:49

Van Rompuy reconduzido como Presidente do Conselho Europeu

Quinta-feira, 01.03.12

No primeiro dia do Conselho Europeu - de um Conselho Europeu apostado em dar a volta ao cenário de crise que tolhe a União optando por definir novas estratégias de crescimento e combate ao desemprego na Europa - e como era esperado, os líderes europeus decidiram, esta quinta-feira, a recondução de Herman Van Rompuy no cargo de Presidente do Conselho Europeu, para um segundo mandato de 30 meses, e a sua nomeação como Presidente da zona euro. Não se pode dizer que seja uma notícia entusiasmante ou extraordinariamente motivadora - em termos de lideranças políticas, a Europa da União continua a optar por lideranças de baixo perfil. É pena.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Joao Pedro Dias às 22:37

Carta de convite do Presidente Van Rompuy para o próximo Conselho Europeu

Quarta-feira, 29.02.12

«É com o maior prazer que venho convidar V. Exa. a participar na reunião do Conselho Europeu que terá lugar em Bruxelas nos próximos dias 1 e 2 de Março de 2012.


Após a tradicional reunião com o Presidente do Parlamento Europeu e a foto de família, às 18h45 Helle Thorning-Schmidt presidirá a uma curta reunião sobre a eleição do Presidente do Conselho Europeu para o período de 1 de Junho de 2012 a 30 de Novembro de 2014. Jean-Claude Juncker proporá então que seja designado o Presidente da Cimeira do Euro.


Iniciaremos o nosso jantar de trabalho às 19h30, começando com as questões económicas.


Este Conselho Europeu concluirá a primeira fase do "Semestre Europeu", oferecendo orientações para as políticas económicas e orçamentais dos Estados-Membros. No passado recente aprovámos uma estratégia – a "Europa 2020" – e acordámos os seus objetivos; como afirmado na carta sobre o crescimento do Presidente Barroso, o verdadeiro desafio situa-se ao nível da implementação. A presente reunião do Conselho Europeu deve servir para identificar as prioridades em que os Estados-Membros se deverão concentrar a nível nacional.


Para estimular o debate, enviarei um documento destinado a ilustrar alguns dos desafios cruciais que enfrentamos. Jean-Claude Juncker fará então uma resenha dos acontecimentos mais recentes na área do euro. Depois disso, voltaremos à questão da Sérvia, no seguimento das nossas conclusões de dezembro de 2011. Por último, ainda durante o jantar, voltaremos à questão do alargamento do espaço Schengen.


Na sexta-feira, será assinado às 9h00 o Tratado sobre Estabilidade, Coordenação e Governação na União Económica e Monetária (UEM).»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Joao Pedro Dias às 15:55






links

ORGANIZAÇÕES EUROPEIAS

COMUNICAÇÃO SOCIAL



comentários recentes

  • Jorge Greno

    Mas então o Português deixou de ser língua oficial...

  • Pedro

    Bom dia,O Casa Europa está novamente em destaque n...

  • Henrique Salles da Fonseca

    BRAVO!!!Todos os políticos no activo praticaram o ...

  • O mais peor

    Até que enfim o sapo destaca um blogue de valor qu...

  • De Puta Madre

    Eu Gostaria que o Espaço Europeu não Tivesse nos S...

  • Dylan

    Se no caso egípcio, algumas pessoas acharam por be...

  • Carlos Medeiros

    Gostei do post. Estou totalmente de acordo. E cons...

  • silveira

    Não é isso que diz a notícia!... De qualquer forma...

  • silveira

    Se eu fosse juíz sentiria vergonha por esta rejeiç...

  • silveira

    É claro como água!... Para voltarmos a ter justiça...